domingo, 31 de julho de 2011

A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO

SUBSÍDIO PARA A 6ª LIÇÃO DA E.B.D DO 3º TRIMESTRE DE 2011 - CPAD

A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO

O Batismo com o Espírito Santo habilita o crente a ser testemunha de Cristo fora de sua esfera de atuação (At 1.8). Não vou entrar em detalhes sobre o Batismo, porém, observe que ao aceitarmos a Cristo, O Espírito vem habitar em nós (cf. Mt 12.43-45; Jo 14.16,17). Essa divina presença no nosso ser serve ainda como meio probatório (presenciar ou ver algum fato), no entanto, "Disse-lhe Jesus: ...; bem-aventurados os que não viram e creram" (Jo 20.29). O Santo Espírito acompanhou todo o ministério de Jesus, o mesmo faz de nós, testemunhas fiéis, como se estivéssemos presenciado tudo!

Para ser testemunha, alguém precisa participar ou visualizar algum acontecimento, caso contrário será enquadrado como falsa testemunha (Êx 20.16). Para testemunhar ousadamente o crente precisa de provas concretas. É surpreendente sermos testemunhas de Cristo por intermédio do Espírito Santo! Não há como negar, sentimos na alma, cremos em Jesus, nossa esperança está firmada N'Ele, nada nos abalará, temos a certeza de que Jesus é o Salvador!

O testemunho se efetiva (termina) quando o Pai é glorificado (Mt 5.16). Trata-se de um testemunho a base de Sal e Luz (Se preservar na claridade até chegar no Ceú, pois o mundo é obscuro! Corpo e mente são envolvidos no testemunho cristão. Se o mundo jaz no maligno, os cristãos, a "Exceção". Somos considerados astros iluminados, não temos luz própria, somos iluminados por Jesus, "a resplandecente estrela da manhã" (Ap 22.16). Aquele que traz à luz suas obras é porque são feitas em Deus! (Jo 3.21).

Portanto, não é preciso necessariamente ir à outro país para ser testemunha, aqui mesmo há pessoas que ainda não ouviram ou ouviram pouco sobre Jesus! Só iremos convencer alguém para Cristo se tivermos convictos de que aquilo que pregamos e vivemos é a razão da nossa esperança! (Cf. 1 Pe 3.15).

sábado, 30 de julho de 2011

O REINO DE DEUS ATRAVÉS DA IGREJA

SUBSÍDIO PARA A 5ª LIÇÃO DO 3º TRIMESTRE DA E.B.D - CPAD

O REINO DE DEUS ATRAVÉS DA IGREJA

Poderíamos alterar o título da lição, sem contudo, alterar seu teor. Se trocassemos a palavra "igreja" pela palavra "família" não perderia o sentido da mensagem trazida pelo dileto comentarista da lição, afinal, a igreja é formada por famílias, podemos ir mais além, as famílias formam a base da igreja, não falo no sentido espiritual, mas sim, no sociológico, para que existisse 'igreja' primeiro se trabalhou a família, isso vislumbramos no trato de Deus com o primeiro casal, Adão e Eva.

A família no contexto geral, sofre perseguição, pois é o alvo predileto do inimigo, abalando a estrutura familiar o reflexo chegará também nas igrejas de forma desconcertante, infelizmente não se trata mais a família como a célula máter da sociedade, o que está em pauta são leis que tentam denegrir a imagem do fundamento estabelecido pelo próprio Deus.

Por outro lado, a família cristã tem por obrigação demonstrar onde está alicerçada (1 Co 3.11), e unidas a outras famílias que integram a igreja devem deixar transparecer que fazem parte de um Reino.

O texto áureo faz alusão ao o que o Reino de Deus realiza através da igreja, leia o texto e observe que de certa forma a igreja executa obra cabível ao governo (promover saúde, educação, e ação social são algumas), sem entrar em detalhes sobre ética e moral.

Igreja, extensão da descendência abraâmica, entendamos que tudo isso está enquadrado na promessa que Deus fez a Abraão note em (Gn 12.3) que a missão transferida à igreja já que Israel rejeitou o Messias, é anunciar as Boas-Novas de Salvação, e ainda, só em ouvir o Evangelho o indivíduo se torna bendito, pois quem nos ouve conhece a Deus (1 Jo 4.6); caso venha a praticá-lo o ser humano se tornará bem-aventurado (Mt 5).

Se o mundo jaz no malígno (1 Jo 5.19), então, cabe a igreja fazer a diferença. Nesse sentido, a igreja deve ser um reflexo, um protótipo do Reino de Deus na terra. Percebemos que pela Oração do Pai-Nosso,  a vontade de Deus deve ser cumprida na terra especialmente pela igreja "faça-se a tua vontade, assim na terra como no Céu". Eis a importância da presença do Reino na igreja.

A igreja só representará o Reino quando Cristo for reconhecido de fato como a Cabeça d'ela (Ef 1.2,22; 5.23; Cl 1.18). Se a igreja não está representando o Reino seus interesses demonstrarão quais suas intenções, ainda que venha a ter em seu título a expressão "Reino". Através de cada ação há uma intenção (pretensão), nisso a igreja difere de todas as organizações seculares, especialmente no que diz respeito aos seus dirigentes "delegados" por delegação (transmitir poderes, de julgar ou de administrar em seu nome).

Portanto, precisamos como igreja, dispensar parte do nosso precioso tempo, disposição e até outros recursos com sabedoria é claro! a fim de alcançar o objetivo maior, expandir o Reino de Deus na terra!

quarta-feira, 6 de julho de 2011

SUBSÍDIO DA 2ª LIÇÃO CPAD 3º TRIMESTRE - A MENSAGEM DO REINO DE DEUS

ESBOÇO PARA A LIÇÃO Nº 2 – A MENSAGEM DO REINO DE DEUS

Conceitos

Mensagem 

[Do fr. message, pelo port. ant. messagem.] Substantivo feminino. 1. Comunicação, notícia ou recado verbal ou escrito. 2. Felicitação ou discurso escrito, dirigido a uma autoridade. Exemplos Bíblicos:E esta é a mensagem que dele ouvimos e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele treva nenhuma” (1 Jo 1.5); “Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros” (1 Jo 3.11).

Reino

[Do lat. regnu.] Substantivo masculino. 1. Monarquia governada por um rei, regente, etc. [Sin. (bras., pop.): reinado.] 2.Os súditos do reino. 3. Fig. Domínio, esfera, âmbito.. 4. Biol. Cada uma das mais altas categorias em que se agrupam os seres vivos da natureza. [Com cap., nesta acepç. V. Reino Animalia, Reino Fungi, Reino Plantae, Reino Monera e Reino Protista.] 5. Uma das divisões tradicionais do mundo sensível: o reino mineral, ou inorgânico. 6. Conjunto de seres ou de coisas que têm caracteres semelhantes ou comuns. Reino no Gregobasileia = pronúncia “Basiléia”. 1) poder real, realeza, domínio, governo. 1a) não confundir com um reino que existe na atualidade. Referência ao direito ou autoridade para governar sobre um reino. 1b) do poder real de Jesus como o Messias triunfante. 1c) do poder real e da dignidade conferida aos cristãos no reino do Messias. 2) um reino, o território sujeito ao governo de um rei. 3) usado no N.T. para referir-se ao reinado do Messias. Exemplos Bíblicos: Território politicamente organizado, governado por um rei ou por uma rainha (1Rs 2.12; 10.1; 2Cr 22.12). O domínio de Deus sobre as pessoas e sobre o mundo, tanto no presente como no futuro (Mt 5.3; 12.28; Lc 17.21; Rm 14.17). Às vezes também quer dizer a vida com Deus no céu (2Tm 4.18).

Deus

[Do lat. deus.] Substantivo masculino. 1. Princípio supremo considerado pelas religiões como superior à natureza. 2. Ser infinito, perfeito, criador do Universo. 3. Nas religiões politeístas, divindade de personificação masculina, superior aos homens, e à qual se atribui influência especial, benéfica ou maléfica, nos destinos do Universo. 4. Fig. Objeto de um culto ou de um desejo ardente, que se antepõe a todos os demais desejos ou afetos. 5. Filos. Princípio supremo de explicação da existência, da ordem e da razão universais, e garantia dos valores morais. Exemplos Bíblicos: (hebr. El, Elah, Eloah, Elohim; gr. theós) O nome mais geral da Divindade (Gn 1.1; Jo 1.1). Deus é o Ser Supremo, único, infinito, criador e sustentador do universo. É espírito pessoal e subsiste em três pessoas ou distinções: Pai, Filho e Espírito Santo, v. TRINDADE. É santo, justo, amoroso e perdoador dos que se arrependem. O ateu diz que Deus não existe; o agnóstico diz que não podemos saber se Deus existe ou não; o crente sabe que Deus existe e afirma: "nele vivemos, nos movemos e existimos" (At 17.28)

Texto Áureo (Mc 1.15 - Mensagem de Jesus) 

Quando a Bíblia diz que “é chegado o Reino de Deus” se está querendo dizer que O Reino de Deus já está “entre nós” e “em nós” (pela presença de Jesus e mais tarde do Espírito Santo), como forma de aludir ao testemunho cristão, dirigido por Deus, independentemente de qualquer reino no sentido literal da palavra. Ou quando diz assim: “está próximo o Reino de Deus” é que ainda vai chegar ou está prestes a chegar, apontando para o futuro, mas O Reino de Deus nunca teve início e jamais haverá fim, é um domínio Sempiterno (Dn 4.34; Mt 25.34). O ímpio Nabucodonosor reconheceu (teve uma visão sobrenatural, permitida por Deus é claro!) que a Soberania do Altíssimo se estende de Geração em Geração, e o próprio Cristo enfatizou usando a fundação do mundo como primeira referência cronológica, já que antes da fundação do mundo não havia referência para nós seres humanos, ou seja, não havia nada criado no mundo físico, Jesus está dizendo que o Reino de Deus já existia antes mesmo da criação do universo.


...O Reino de Deus...
 
 A proclamação e a concretização do reino de Deus foi o propósito da Obra de Cristo. Foi o tema de sua mensagem na terra (Mt 4.17). Quanto à forma de manifestação do reino, existem:

  • O Reino de Deus em Israel. No AT, o Reino visava o caminho da salvação da humanidade. Devido à rejeição de Jesus, o Messias de Israel, o Reino foi tirado desta nação. (Mt 21,43).

  • O Reino de Deus em Cristo. O Reino esteve presente na pessoa e na obra de Jesus, O Rei (Lc 11.20).

  • O Reino de Deus na Igreja. Trata-se da manifestação atual do Reino de Deus nos corações e nas vidas de todos aqueles que se arrependem e crêem no evangelho (Jo 3.3,5; Rm 14.17; Cl 1.13). sua presença manifesta-se com grande poder contra o império de Satanás. Não se trata de um reino político, material, mas de uma poderosa e eficaz presença e operação de Deus entre o seu povo.

  • O Reino de Deus na Consumação da História. Trata-se do Reino Messiânico, predito pelos profetas (Sl 89.36,37; Is 11.1-9; Dn 7.13,14). Cristo reinará (profecia para o futuro = escatologia) na terra durante mil anos (Ap 20.4-6). A igreja reinará juntamente com Ele, sobre as nações (2 Tm 2.12; 1 Co 6.2,3; Ap 2.26,27).

  • O Reino de Deus na Eternidade. O reino messiânico durará mil anos, dando lugar ao reino eterno de Deus, que será estabelecido na nova terra (Ap 21.1-4). O centro da nova terra é a Cidade Santa, à Nova Jerusalém (Ap 21.9-11). Os habitantes são os redimidos do AT (Ap 21.12) e do NT (Ap 21.14). Sua maior bênção é “verão o seu rosto” (Ap 22.4).

...Arrependei-vos e crede...
 
O Arrependimento e a Fé são passos dados pelo “não-crente” para a salvação, e que devem ser preservados pelos cristãos para fazer valer seu esforço em dizer que é um seguidor de Cristo (At 14.22; Hb 11.6, 1 Pe 3.15); ou seja, para que o indivíduo ingresse (tenha acesso) ao Reino de Deus se faz necessário mudar de comportamento pela fé que em si foi gerada pelo Evangelho, “a fé vem pelo ouvir, ouvir a Palavra de Deus” (Jo 3.3,5; 2 Co 5.17); por outro lado, esta entrada no Reino não deve ser dificultada, pois até o próprio Cristo facilitou o acesso dizendo: “Vinde a mim todos os que estais cansados e...” (Mt 11.28-30).

Verdade Prática

 Se já fazemos parte desse Reino, então, o Rei exige que nossas atitudes sejam pautadas dentro da Sua Vontade, ou ainda, é O Rei que sabe verdadeiramente quem faz parte ou não, de seu reinado.

Leitura Bíblica

 Mc 1.14 – Não era interessante para Jesus permanecer no lugar onde o que lhe preparou o caminho no deserto tinha sido preso, afinal, João falava a respeito de Jesus, então seria mais uma presa fácil, e ainda não tinha chegado o tempo de Ele ser entregue para ser morto, ainda havia muito por fazer; O Mestre foi para outra parte dando continuidade à mensagem de João, cumprindo assim as profecias. A igreja cristã nasceu na Galiléia, embora mais tarde confirmada em Jerusalém, pela descida do Espírito Santo.

Mc 1.15 – Comentário mencionado no texto áureo.

Obs.: Até aqui se entende que o indivíduo está na situação antes de ingressar no Reino.

Mt 5.3-12As bem-aventuranças são qualidades próprias dos verdadeiros cristãos, que apontam para momentos (situacionais) que o cristão usufruirá ainda aqui na terra ou já no Reino Pleno Estabelecido. E que para aproveitá-las o servo de Deus deve permanecer na qualidade de súdito fiel. As bem-aventuranças nos mostram como seremos abençoados se fizermos disso a regra de nossas vidas. No entanto, ainda não somos perfeitos, mas somos convertidos, nossos interesses e desejos se voltam na direção do Reino de Deus.

Obs.: aqui se entende que o indivíduo está dentro do Reino.

Rm 14.17 – Alguém pôde até pensar assim, ‘se eu for crente, será que realmente posso ser alegre’? Pensa ele “a maneira de o crente ser, vestir, pensar e se comportar diante da sociedade é diferente, e continua revelando felicidade, logo se percebe que se o cristão é dessa forma sem ter muitas regalias, privilégios ou até mesmo status, porém, ele se conscientiza de que a alegria do servo de Deus vai além dos prazeres que esta vida pode oferecer.

Obs.: aqui se entende que o indivíduo se projeta para a participação do Reino na eternidade.

Introdução: A mensagem do Reino trazida por Jesus vem carregada de sabedoria e instrução; por ex.: “Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito” (Jo 15.7), O Mestre deixa claro que se depois que decidirmos segui-lo, abandonarmos o compromisso com Ele, desobedecê-lo ou deixar de praticar Sua Palavra, (em outras palavras “Se não estiveres mais em mim”, então, o acordo se quebra, e O Seu compromisso conosco não mais existirá, então, pediremos e não seremos atendidos, clamaremos e não adiantará, pois nossa petição a ser atendida está correlacionada à nossa permanência em Sua Palavra. Portanto, qual é o rei que atenderá um pedido de um estranho!? Em fim, A Mensagem de Deus são as coisas jubilosas provenientes de Deus, o qual é o Autor e enviador da mensagem.

I.    A NATUREZA DO REINO DE DEUS – De que tipo, o que abrange e de que é composto o Reino de Deus.

1.      O Reino é caracterizado por ser espiritual.
 
Não se trata de um reino físico, apalpável ou que pode ser notado a olhos naturais, quando Cristo fala em (Lc 17.20,21), esclarece que “o Reino não vem com aparência exterior” e que Esse “Reino está entre vós” reafirma que não pode ser visto, porém, deve ser sentido (percebido interiormente, isto é, na alma e no espírito), pois o fato de Cristo está no nosso meio ou em nós, O Reino automaticamente está entre nós pela presença magnífica do Espírito Santo.

2.     Abrangência do Reino.
 
O Reino é expresso através de experiências pessoais que cada um tem com Jesus e ao mesmo tempo, esses indivíduos unidos que integram o Reino formam o corpo místico de Cristo, a Igreja, logo, pode-se dizer que o Reino também é coletivo, nesse sentido, de sabermos que existe uma união simbólica entre todos os que já se foram e os que ainda vivem e viverão piedosamente em Cristo Jesus.

3.     Composição do Reino de Deus e seus princípios.
 
Para que exista um Reino, reconhecemos humana e limitadamente que pelo menos é necessário ter um Rei, Súditos, Território, Lei, Obediência, Respeito, Consideração, Propósito. Antes da fundação do mundo, entendemos que O Eterno, reinava entre os seres espirituais, e nele havia pelo menos todos os itens acima citados, e hoje não é diferente na esfera terrena faz-se necessário que sejam agrupados aqueles itens para a composição do Reino de Deus na igreja, isto é, na esfera espiritual. O Rei é Jesus, os súditos são todos quantos o receberam, Território é espiritual, a Lei é A Palavra de Deus, o Rei reclama obediência dos servos, e há respeito dos súditos pelo Rei, e o Rei considera todos os que lhe adora na beleza de sua Santidade e o propósito é (RA Jo 14.3). A expressão “Reino de Deus” é sinônima de “Reino do Céu” quando traçados paralelos entre os evangelhos sinóticos, e a sua origem, seus propósitos e seu Rei são de origem e orientação divinas. Em (Dn 2.34-45) indica que, em seu aspecto futurista, esse reino será literalmente dirigido por Deus, na terra.

II.     A NOVA VIDA DOS QUE FAZEM PARTE DO REINO DE DEUS – Processo para ingressar e permanecer no Reino de Deus

1.      Novo nascimento é a chave de acesso ao Reino.  

   É uma obra sobrenatural, não é algo manipulado pelo homem ou que se efetua de qualquer jeito, é operada quando há sinceridade no coração do “velho homem”, é evidenciada quando as obras (ações do recém-convertido) são condizentes com sua nova postura como cristão, é permanente quando a cada dia reconhecemos que somos dependentes de Deus para sermos constantes em obedecê-lo. Observe a expressão “Nascer da água e do Espírito” em (Jo 3.5), é necessário que a verdadeira conversão tenha que passar (gerada pelo ventre) pela (da) Palavra trabalhada pelo Santo Espírito, pois em (Jo 15.3; Ef 5.26) a água representa a Palavra de Deus, e do Espírito não se faz necessário explicar, pois, se trata da Pessoa Bendita do Santo Espírito, por começar com letra maiúscula, então, descreve uma Pessoa, nascer da ação do Espírito Santo (Jo 16.8).

2.     Proclamar o Reino de Deus.  

    Em (1 Co 9.16) o apóstolo Paulo é direto e objetivo no que se refere à evangelização, pois, não é de mérito humano, é uma OBRIGAÇÃO nossa, não há o que se engrandecer, a Glória é D’Ele (Is 42.8)! E não devemos falhar nessa ordem (Mc 16.15), porque iremos ser cobrados pela negligência em anunciar o Evangelho de Cristo! (2 Co 5.10), nem todos que proclamam o Reino fazem parte do Reino (Mt 7.21,22; Lc 6.46).

3.     Gerar frutos.  

    Cristo foi enfático quando disse em (Jo 15.16) Ele nos escolheu, para produzirmos (Gl 5.22,23), caso contrário Ele (Mt 3.10; 7.17-19; 12.33) cortará e jogará no fogo! Leia (RA Jr 48.10).

III. O QUE O REINO DE DEUS SIGNIFICA? – Importância da Essência do Reino de Deus

1.      Justiça.  

   A virtude de dar a cada um aquilo que é seu. A faculdade de julgar segundo o direito e melhor consciência. Em relação às obras dos cristãos temos em (1 Co 3.11-15), como será feita a justiça. A nossa justiça fora de Cristo são consideradas como trapos de imundícia (Is 64.6). Atributo pelo qual, ao tratar com as pessoas, Deus age de acordo com as normas e exigências da perfeição de sua própria natureza (Sl 119.142). Por isso Deus castiga tanto os incrédulos (Dt 33.21; Sl 96.13) como o seu próprio povo (Sl 50.5-7; Is 28.17) e, com imparcialidade, socorre os necessitados (Dt 10.17-18; Sl 72.2). Ato pelo qual Deus, em sua graça e em conformidade com a sua ALIANÇA, selada com o sofrimento, morte e ressurreição de Cristo, perdoa as pessoas fracas, perdidas e sem justiça própria, aceitando-as através da fé (Rm 3.21-26; 1Co 1.30; 2Co 5.21). Qualidade que leva os cristãos a agirem corretamente, de acordo com os mandamentos de Deus (Mq 6.8; Rm 6.13,19; Ef 5.9; 1Pe 2.24); ver. JUÍZO e RETIDÃO.

2.     Paz.  

    Não é simplesmente ausência de conflitos, é a Paz que Cristo tem a oferecer “a que o mundo não tem” (Jo 14.27). Em (Is 3.17, Tg 3.18) estão interligadas a justiça e a paz, e em conseqüência destas virtudes postas em prática, sem dúvidas, haverá alegria e todos estarão satisfeitos. Em (Rm 5.1) temos esta paz, porque Cristo a mediou entre Deus e nós!

3.     Alegria. 

    Emoção e estado de satisfação e felicidade (Sl 16.11; Rm 14.17). Nossa alegria maior deve ser... (Lc 10.20).

Conclusão: A mensagem do Reino de Deus, como vimos, tem um recado não só para os incrédulos, mas também para os servos de Deus; é sobrecarregada de virtudes e atitudes que levam as pessoas que se entregaram a Cristo a ter uma experiência espiritual; traz consigo direitos e deveres quando aceita; e até hoje se pode ouvir o ecoar de seu teor “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor” (Atos 3:19).

Pb Demetrios José
Fontes bibliográficas: Dicionário Aurélio; Dicionário da Bíblia de Almeida; BOL MA – 3.0 (Bíblia On Line); Bíblia de Estudo Pentecostal; Pequena Enciclopédia Bíblica Orlando Boyer; O Novo Testamento Interpretado – Versículo por versículo de Champlim;