quarta-feira, 24 de agosto de 2011

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA

SUBSÍDIO PARA A 9ª LIÇÃO DO 3º TRIMESTRE DE 2011 - CPAD

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA

Identidade traz como sinônimo marca peculiar gravada, registro que dificilmente se perderá de vista, qualidades inerentes ao seu possuidor". Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros" (Jo 13.35). A mensagem, e o estilo de vida de Jesus são simples. A igreja não é composta de super-crentes que são imbatíveis ou até mesmo que não adoecem ou que não morrem, pelo contrário, sua formação no que diz respeito à Igreja Militante são de indivíduos que são passivos as doenças, aos infortúnios do dia a dia e a própria morte. O próprio Cristo sofreu como ninguém, visto ter sido castigado sem que houvesse culpa alguma, Ele disse: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo (Jo 16.33).

Contudo, a Igreja é identificada pelo seu modo de ser pautado dentro da Palavra de Deus, caso contrário, não surtirá efeito sua atuação, qualquer instituição que se julga igreja e não pratica o que está nas Escrituras Sagradas não passará de mera organização filantrópica secular, porém a Igreja verdadeira traz em seu escudo a seguinte expressão: ".. e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt 16.18). Todos os componentes D'ela não se perderão de vista senão observe que "E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus." (Mateus 24.31).

A identidade não é para se deixar em casa guardada, presume-se que todas as pessoas possuem seus registros quando nascem, então, desse ponto de vista, partimos para o espiritual entendendo que, ao nascer de novo, o indivíduo assume uma identidade, dentro do corpo místico de Cristo, e para que ele ostente essa identidade é preciso cumprir entre outros, alguns critérios, como, amar a Deus e ao próximo, bem como defender sua fé em Cristo, além de anunciar a mensagem que lhe garantiu uma nova cidadania.

Nós como membros inseridos no Corpo de Cristo, precisamos estar prontos para "Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós," (1 Pedro 3.15 ). Portanto, sabemos de onde viemos, conhecemos e cremos em quem nos chamou, e temos certeza para onde vamos!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE

SUBSÍDIO PARA A 8ª LIÇÃO DO 3º TRIMESTRE DE 2011 - CPAD

IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE

O Governo deveria investir mais nas Ong's (Organizações Não-Governamentais) sem pensar em um retorno baseado em questões políticas.  A Igreja por não ter nenhum vínculo com àquele se enquadra nestas últimas, que por sinal muitas das vezes faz o papel do Estado. Se não, observe, quando um dependente químico, prostituto, um ladrão ou até mesmo um cidadão comum se converte a Jesus, será menos um problema em potencial para a sociedade e que pela qual o Estado presumir-se-ia querer o seu bem-estar, visto ser um de seus objetivos "construir uma sociedade livre, justa e solidária".

Quando o legislador (componente fundamental da nossa atual estrutura política) põe em questão e até aprovam Projetos de Leis que vão de encontro a Palavra de Deus, estão de certa forma inibindo e prejudicando o auxílio da Igreja ao próprio governo, visto que se a Igreja está transformando a sociedade para o bem, então, trará benefícios para o Estado; no entanto, agora terá que se preocupar com mais uma ameaça ao invés de estar focada na recuperação do drogado ou enfermo terá que se preocupar com outras questões sobre sua manutenção.

A Igreja é composta de pessoas que vivem na sociedade, não são elementos de outro planeta, são indivíduos humanos que integram a mesma, cada um com sua personalidade e caráter próprios. É por isso que como agente transformador não deve se confundir com as organizações seculares que por sua vez se compõem de pessoas sem um padrão de conduta unificado à base de uma regra de fé, como é o caso da Igreja, que apesar de ser composta de pessoas de diferentes níveis sociais e culturais devem manter-se puramente iguais, caso contrário, serão escarnecidos por camuflarem quem realmente são.

Portanto, se o mundo muda a sociedade para o bem-estar carnal, INFELIZMENTE com o apoio de certas leis estatais, A Igreja necessita transformar a sociedade à luz da Bíblia "E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus" Romanos 12.2.


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO

SUBSÍDIO PARA A 7ª LIÇÃO EM 14 DE AGOSTO DE 2011 - CPAD


A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO

Esse título aponta nas suas entrelinhas para um dos sentimentos mais sublimes do Reino, a humildade (Mt 5; Fp 2.3; Cl 3.12; Ef 4.2; 1 Pe 5.5); que vem do latim humilitas, -atis, pequenez, modéstia) 

s. f.
1. Qualidade de humilde.
2. Capacidade de reconhecer os próprios erros, defeitos ou limitações. = MODÉSTIA ≠ ALTIVEZ, ARROGÂNCIA, ORGULHO
3. Sentimento de inferioridade. = REBAIXAMENTO
4. Demonstração de respeito, submissão. = DEFERÊNCIA, REVERÊNCIA ≠ DESRESPEITO
5. Ausência de luxo ou sofisticação. = SIMPLICIDADE, SOBRIEDADE≠ OSTENTAÇÃO


O serviço cristão se realiza em dupla direção, ou seja, de baixo para cima (dirigido a Deus, quando na adoração) e na horizontal (dirigido aos alheios, quando na Ação Social).

O que está por traz do serviço? qual o sentimento, o interesse, o objetivo ou a finalidade? Será o Interesse pessoal, a auto-promoção, a vanglória, os cargos ou posições eclesiásticas?

A glorificação do serviço prestado deve ser direcionado a Deus ou ao Ego pessoal (auto-glorificação)?

Em (Lc 17.10) observamos a inutilidade do servo que só faz o feijão com arroz (básico), é necessário que se faça algo mais..., pois esse "a mais" declara o compromisso e a disposição em servir. No entanto, hoje o que se vê é o descompromisso, a dispersão e a desobediência aos líderes (autoridades delegadas para o serviço a Cristo dar continuidade).

Atente que nos (vv. 14-17 de João 13) da leitura bíblica em classe, depreendemos de seu contexto alguns sentimentos e/ou virtudes como, humildade, honra, obediência, hierarquia, disciplina e ordem. Essas qualidades pressupõem-se que são inatas aos cristãos, porém, na prática não é o que se constata em muitas situações do dia a dia, em nossas igrejas.

Ainda focados na leitura bíblica, especificamente em (Atos 2.42), neste versículo entendemos que os primeiros cristãos aceitavam estar submissos aos apóstolos, estamos constantemente debaixo de autoridades delegadas por Deus, o que hoje não contemplamos de forma generalizada é a estrita obediência, apenas, por um pequeno contingente de servos. (no vv. 43 do mesmo capítulo citado no parágrafo) temos explícita o motivo pelo qual se via muitas maravilhas, o temor individual que praticado num todo e o resultado se podia contemplar nos milagres e prodígios. (no vv. 44-46 do mesmo capítulo citado no parágrafo) "estavam juntos e tinham tudo em comum", "vendiam suas propriedades" e "perseverando unânimes" e "singeleza de coração" são expressões que denotam união posto à prova, só o fato de se alimentarem juntos traz à tona à simplicidade, isto é, sem outras intenções, hoje se fizermos isso, é muito perigoso, pois não conhecemos uns aos outros, só e somente Deus conhece os corações, a realidade é que não existe o temor dos primeiros cristãos nas pessoas, perde-se o temor, perde-se muito espiritualmente, inclusive; estamos rodeados de vários tipos de aproveitadores carnais, tenhamos cuidado! Contudo, trabalhemos em favor dos necessitados de maneira sóbria, sábia e moderada, enfim, ensinemos como pescar e não só e somente só, darmos o peixe.


Em (At 5) comprovamos que Ananias podia muito bem ter ficado com sua herdade, o coração dele e da esposa estavam no bem material, isso não funciona; caso tivessem falado a verdade, não teriam nenhum problema; se nós não temos condições de contribuir financeiramente, também não devemos fazer sacrifício de tolos, esses não são aceitos! Agora, se você tem, e pode, ajude sem receio, pois Deus se agrada de quem assim o faz.


Nossas Ações Sociais ainda são muito deficientes em diversos aspectos, acredito que poderíamos fazer mais em prol dos mais carentes, no entanto, isso envolve questões financeiras, e aí a maioria das pessoas não pensam e não querem repartir o que tem.


Fala-se tanto em união em muitos púlpitos de nossas igrejas, mas no costume essa união é insuficiente, então porque é que não caimos "na graça de todo o povo" como era no princípio da igreja, por quê? 


Qualquer obrigação no serviço do Mestre a nós imposta é motivo de satisfação em poder servir a Noiva do Cordeiro e aos semelhantes de forma geral.


É bem verdade que o Serviço Cristão tem fundamento em Cristo, Ele deu o exemplo para que nós também o devêssemos fazê-lo; teria esse serviço um caráter incondicional? não é um serviço criado para outros fins, não é remunerado (casos a parte, existem àqueles que vivem da obra, p. e. missionários, pastores com tempo integral, e etc.), mas num geral a igreja não é uma empresa, no entanto, é preciso que a tarefa seja executada de maneira eficiente, a fim de que Deus seja Glorificado e não escarnecido!


Para a Proclamação da Palavra deve-se usar da melhor maneira os meios de comunicação existentes a nosso favor, a fim de alcançar um maior número de ouvintes.


O viver em comunhão serve de exemplo para a sociedade e atrai as pessoas.


Servir a Deus e ao próximo serve para comprovar o que pregamos e ensinamos.


Portanto, Jesus quis ensinar que para cobrar algum serviço, primeiro deve-se dar o exemplo. O Serviço Cristão é um serviço intrínsicamente voluntário. A igreja deveria ser um dos maiores centros de habilitação de carentes, doentes físico-psíquicos, não o é talvez pela falta de estrutura ou por ser um papel destinado ao Estado.