quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A PLENITUDE DO REINO DE DEUS

"Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos, e separarão os maus de entre os justos," (Mt 13.49).

No fim, virá o estabelecimento do Reino.

O "Fim" está garantido, há um limite para o pecado, está sob a autonomia divina (o momento exato de seu desaparecimento).

A plenitude do Reino alude a efetivação da promessa "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras." (1 Tessalonicenses 4:16-18)

Será precedido de sinais no Céu "E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu." (Lc 21.11)

O que acontecerá com os ímpios... À princípio sofrerão a grande tribulação, muitos serão mortos e outros procurarão à morte e não será achada, e no fim, passarão a eternidade sem o conforto da Presença de Deus! De mal a pior!!!

O que acontecerá com os escolhidos... À princípio serão arrebatados, gozarão as bodas do Cordeiro, receberão galardão pelo serviço prestado aqui na terra, e em seguida assessorará o próprio Cristo no Seu Reinado Milenial e consequentemente "E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também." (Jo 14.3)

A plenitude do Reino teve início na primeira vinda de Cristo quando da sua manifestação em carne e se efetuará com a segunda parte da segunda vinda em Glória!

É o nosso alvo, objetivo.

Com base na leitura bíblica em classe (Isaías 11.1-9)

vv.2 - Observe os adjetivos referentes ao Espírito do Senhor, Este reclama respeito, honra e reverência somente em sabermos Suas qualidades.

vv.3 - "à vista" e "o ouvir" aponta para aparência, ou seja, não julgará pela mesma.

vv.4 - "com justiça" e "equidade" aqui será como a giria popular diz o "preto no branco", ou seja, não existirá meio termo, arrumadinho ou algo semelhante.

vv.5 - "justiça" e "verdade" entendemos que a base do Governo de Cristo serão estes dois itens, até porque para que se participe da plenitude de Deus teremos que renunciar muitas coisas e como recompensa o ingresso no Reino definitivo "E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória." (1 Coríntios 15:54).

No projeto das bem aventuranças temos uma promessa "Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;" (Mateus 5:6).

vv.6 - Retorno ao estado original, ou seja, a perfeição que havia no princípio da criação.

vv.9 - "mal" não haverá lugar para a desobediência "E não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro. (Apocalipse 21:27). "toda a terra está cheia da sua glória." (Isaías 6.3)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ

Esta é uma lição puramente teológica, tendo como fundamento a teologia sistemática, pois trata do estudo, pesquisa e ensino das principais doutrina bíblicas.

Podemos extrair do título da lição a grande diferença que há entre costume e doutrina, pois aquele trata da cultura local que varia de lugar para lugar e geralmente vai de encontro à Palavra de Deus, esta faz alusão à universalidade, que é imutável e foi estabelecida pelo próprio Deus, enfim, a Doutrina Cristã é completa, perfeita e acabada, não há mais o que incluir no compêndio sagrado, portanto, o Cânon Sagrado começa com o gênesis e termina com o apocalipse, e nesse panorâma estão inseridos os mais variados princípios básicos que a Igreja Cristã necessita.

Texto Áureo

"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra". (2 Tm 3.16,17)

Há duas finalidades para a aplicabilidade da Escritura Sagrada a primeira faz referência a expressão perfeito que quer dizer experimentado, vivido, experiente, e a segunda alude à expressão perfeitamente instruído que em outras palavras diz conhecedor das principais doutrinas bíblicas.

Leitura Bíblica em Classe

"Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra... Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina... Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade,... Não defraudando, antes mostrando toda a boa lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador". (2 Tm 3.14-17; Tt 2.1,7,10).

O verbo permanece traz como característica a permanência e a constante praticidade do conteúdo bíblico; tendo como origem o aprendizado de alguém com credenciais e prerrogativas cristãs.

"Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele". (Pv 22.6). Eis aí um jovem que aprendeu logo cedo a sã doutrina, Timóteo privilegiado em conhecer bem moço a Palavra de Deus. Tal aprendizado dificulta o esquecimento!

"Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem". (1 Tm 4.16). O apóstolo Paulo procurou enfatizar a consistência de Timóteo em seguir e cumprir a doutrina sagrada, pois o efeito seria a salvação de quem ele pudesse alcançar na evangelização e pela sua maneira de se portar.

O obreiro basicamente está para falar da sã doutrina, assim como, os espectadores estão para ouvir a doutrina e não estórias, lendas ou mitos, pelo contrário, o povo deseja alimento sólido, palavras temperadas com sal (A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um. Cl 4.6), ora cajado, ora azeite, misturados com amor e exortação.

Para que a doutrina seja percebida é necessário dar exemplo (praticar a sua teoria). "A palavra atrai e o exemplo convence" Cid Moreira.

Doutrina Cristã: Complexo de princípios estabelecidos por Deus que regem a conduta da Igreja de Cristo.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

INFLUÊNCIA CULTURAL DA IGREJA

Definições segundo o Dicionário Michaelis:

in.flu.ên.cia


sf (lat influentia) 1 Ato ou efeito de influir. 2 Poder ou ação que alguém exerce sobre outrem ou sobre certos fatos ou negócios. 3 Prestígio, preponderância, poder ou ação sobre outro. 4 Autoridade moral. 5 Preponderância. 6 Influxo. 7 Entusiasmo. 

 cul.tu.ra


sf (lat cultura) 7 Aplicação do espírito a uma coisa; estudo. 8 Desenvolvimento que, por cuidados assíduos, se dá às faculdades naturais. 9 Desenvolvimento intelectual. 10 Adiantamento, civilização. 11 Apuro, esmero, elegância. 12 V culteranismo. 13 Sociol Sistema de idéias, conhecimentos, técnicas e artefatos, de padrões de comportamento e atitudes que caracteriza uma determinada sociedade. (ver. Daniel 1.17) 14 Antrop Estado ou estágio do desenvolvimento cultural de um povo ou período, caracterizado pelo conjunto das obras, instalações e objetos criados pelo homem desse povo ou período; conteúdo social. 

i.gre.ja


sf (port ant eigreja, do gr ekklesía, pelo lat) 1 Templo dedicado ao culto cristão. 2 Conjunto de cristãos unidos pela mesma fé e sujeitos aos mesmos guias espirituais. 3 Catolicismo. 4 Autoridade eclesiástica. 5 Clerezia. 6 P ext Qualquer templo consagrado ao culto divino ou uma comunidade religiosa em geral. Dim irreg: igrejório, igrejola. I. Anglicana: a religião oficial da Inglaterra, separada do catolicismo romano. I. Copta: Igreja dos cristãos egípcios, que, em 451, se separaram da Igreja Ortodoxa. A comunidade copta estende-se até a Abissínia. I. Católica: aquela cujo chefe visível é o papa. I. do Ocidente: o mesmo que Igreja Católica. I. do Oriente: a que não reconhece a supremacia do papa. I. Evangélica: designação geral das corporações religiosas da Reforma. I. Grega: o mesmo que Igreja do Oriente. I. matriz: a que tem jurisdição sobre outras de uma dada circunscrição (também se diz simplesmente matriz). I. militante: congregação dos fiéis que, ainda aqui na Terra, se empenham na milícia da fé. I. Ortodoxa: o mesmo que Igreja Grega. I. primitiva: a dos primeiros tempos do cristianismo. I. Protestante: a que só reconhece a autoridade da Bíblia. I. Reformada: o protestantismo, especialmente o calvinismo. I. estacionais: aquelas em que se fazem estações nos tempos de jubileu. I. suburbicárias: aquelas que compõem a diocese de Roma e estão sujeitas ao domínio papal. I. triunfante: assembléia dos fiéis que já gozam da bem-aventurança eterna. Casar na igreja verde: amasiar-se.

A nossa cultura é a própria "Escritura Sagrada". Nós vivemos numa cultura sobre cultura, ou seja, a cultura da nossa regra de fé deve prevalecer sobre a cultura popular (mundana = moda, conceitos e hábitos praticados pelos ímpios, que são contrários a Bíblia).

Observe que nos versículos 26 e 28 da leitura bíblica em classe usa-se a expressão "domine e dominai respectivamente", as duas variações do verbo dominar traz um sentido de poder, autoridade, superioridade (Ver. PODERES (#/RC Cl 1.16). Ver. PODER (5) (#Ef 1.21).). Dessa forma, entendemos que há um constante conflito de culturas, costumes e hábitos, no caso da fé cristã genuína, esta, até hoje, tem provado que não se trata de uma simples filosofia de vida, ao contrário é o padrão de todos aqueles que desejam agradar ao Criador. Quem realmente foi influenciado por esta cultura nunca vai esquecê-la, pode até deixar de praticá-la, no entanto, algum evento sempre vai remeté-lo a ela. (Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Almeida Corrigida e Revisada Fiel Pv 22.6).

Definição Dicionário Michaelis

do.mi.nar
(lat dominare) vtd e vti 1 Exercer domínio sobre; ter autoridade ou poder em ou sobre: Roma dominou a Grécia. Ditadores dominam não somen­te em países incultos. "...dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves do céu, e sobre todos os animais..." (Bíblia, Gênesis, 1, 28 - trad. do Pe. Matos Soares). vtd e vti 2 Ter autoridade, ascendência ou influência total sobre; prevalecer: Mulheres há que dominam os maridos. Nele dominava a razão. vtd 3 Conter, refrear, reprimir, subjugar, vencer: Dominar o mau gênio. 

Certa vez o apóstolo Paulo disse:

Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. 1 Coríntios 9:19

Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. 1 Coríntios 9:22

E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. 1 Coríntios 9:20

Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. 1 Coríntios 9:21

Temos um limite quando passamos a entrar em contato com outras culturas especialmente com aquelas que são totalmente opostas a nossa, por exemplo, missionários com missão transcultural. Esse limite em muitas situações se separa por apenas uma linha tênue, é aí onde reside o perigo, pois podemos estar tão próximos que se não vigiarmos e não soubermos em quem temos crido seremos influenciados e consequentemente uma presa fácil.

Portanto, não se deve impor cultura alguma, apenas praticá-la, no que nosso caso pelo exemplo atrairá a muitos!
 

sábado, 3 de setembro de 2011

A ATUAÇÃO SOCIAL DA IGREJA

A atuação social da Igreja na prática nos remete a pensar sobre prioridades, se dentro da igreja há indivíduos padecendo necessidades esses devem ser socorrido em primeiro plano, depois os de fora, tudo isso se não dar para ajudar os de fora e os de casa ao mesmo tempo, portanto, enquanto tiver famintos dentro da igreja os de fora precisam aguardar.

A existência de aproveitadores que estão numa situação de carência de forma voluntária é real em muitos ambientes, há àqueles que padecem, mas não descansam enquanto não conseguirem uma vaga no mercado de trabalho, ainda que de maneira autônoma, pelo contrário estão dia e noite à procura da felicidade de não ter que depender do próximo. Contudo, mesmo sabendo da existência daquele tipo, ainda assim, não é motivo para que esta atuação esfrie ou deixe de ser feita.

Há pelo menos seis pontos importantes a serem observados quando na execução da obra de ação social na Igreja Local:

  1. Esta Obra precisa, necessita e carece ser realizada.
  2. Cada Congregação é responsável pelos seus componentes.
  3. É interessante fazer um levantamento (pesquisa) sobre a real situação dos membros e congregados. Ex.: Pelo menos saber se numa casa tem alguém trabalhando.
  4. Arrecadação Voluntária que pode ser semanal (mais indicada pela necessidade diária) ou mensal.
  5. Por fim, a distribuição de forma moderada, sábia e prudente.
Do ponto de vista global há pelo menos cinco razões para a existência e necessidade dessa obra:

  1. Pecado Original.
  2. Amor ao dinheiro (egoísmo, ganância e avareza).
  3. Falta de amor.
  4. Injustiças Sociais.
  5. Má distribuição de renda.
Atualmente há uma discrepância muito grande entre as classes sociais, por exemplo, em um bairro o que separa os mais abastados dos menos favorecidos é simplismente um muro. Observe o que diz a Bíblia "Pois nunca deixará de haver pobre na terra; pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado, e para o teu pobre na tua terra. Deuteronômio 15:11".

O que falta, então, é solidariedade entre os homens. Por que é que a segurança pública é um dos maiores problemas sociais? Apesar de um erro não justificar o outro, contemplamos que um dos motivos seria a visível corrupção e as injustiças sociais atiçarem os meliantes a cometerem crimes e tirarem o que é dos outros.

Enfim, a Igreja deve trabalhar contra o atual sistema corrompido, fazer a diferença e lembrar Cristo em sua ação, pois o Mestre nas suas mensagens e sua atenção estavam mais voltadas para o alvo das injustiças sociais, os pobres.