domingo, 8 de abril de 2012

A Visão do Cristo Glorificado

     Caso o dileto comentarista da lição publicada pela CPAD tivesse aderido aos versículos abaixo ao invés dos versículos da Leitura Bíblica em Classe, não teria nenhuma discrepância e estaria coerente com o título e os tópicos abordados na lição propriamente dita.

     Observe os tópicos:

  1. O Cristo Encarnado
  2. O Cristo Humilhado
  3. O Cristo Glorificado
     Temos neste trecho de Filipenses o resumo em forma de canção da vida e obra de Jesus Cristo.

     Leia Filipenses 2:5-11

5 - De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,

6 - Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,

7 - Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

8 - E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
9 - Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;

10 - Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
11 - E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.

  1. O Cristo Encarnado - A encarnação de Cristo se dá pela sua concepção virginal no ventre de Maria (começo da humilhação), só o fato de se fazer carne e habitar entre nós, revela o nivelamento do Senhor conosco em forma humana, passivo às mesmas dores e sentimentos. Renunciar seu status no Céu em detrimento a estar mais próximo da criação foi sem dúvidas uma decisão mui sublime! Entretanto, em 1 João 3:8 diz que "... Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo." Então, observe que o intruso desde o início tentou arruinar os propósitos do Eterno, afastando o homem de Deus no que o profeta Isaías se refere muito bem "Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça. Isaías 59:2". Jesus se fez carne com o fundamento básico de restabelecer a comunhão perdida do homem com Deus "...Ele É O Caminho... Jo 14.6" e ao mesmo tempo fazer-se a divindade na Sua Bendita Pessoa mais próxima do homem. Em Gênesis 1 contemplamos O Eterno dizer "Haja Luz" essa expressão não é outra classe gramatical a não ser "verbo = haver no sentido de existir", logo, a palavra verbo denota ação, estado ou mudança de estado e movimento; enquanto Deus falava Haja... Jesus que é a Palavra Eterna agia enquanto o Espírito Pairava por sobre às aguas. A Palavra Eterna se materializou ...e o verbo se fez carne e habitou entre nós e vimos a Sua Glória..." a fim de revelar Deus conosco (Sua Imanência); para que quem o visse andar pelas ruas dissesse ou penssasse "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" ou "Eis o Emanuel = Deus conosco" em contrapartida, Felipe pergunta em "Jo 14" Jesus, mostra-nos o Pai e isso nos basta? O Mestre responde, Felipe há tanto tempo estou convosco e não me tendes conhecido? Crede ao menos pelas obras, porque as obras que Eu faço, não as faço por mim mesmo... e num certo momento (Jo 3.2) Nicodemos até Jesus e diz: Mestre ninguém pode fazer essas obras se Deus não for com ele. Portanto, era como se Cristo respondesse, É Nicodemos, tudo isso acontece porque Eu vim do Pai! E foi no sacrifício na Cruz que demonstrou seu amor incondicional por nós.
  2. O Cristo Humilhado - O apóstolo Paulo diz "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.1 Coríntios 2:14"; é bem verdade que o amor de Cristo mostrado na cruz do calvário não foi compreendido  pelos judeus nem muito menos pelos gregos, porém, acreditamos num evangelho de poder. Em outra parte da Escritura Paulo diz, "Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos.1 Coríntios 1:23;" Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.1 Coríntios 1:18. Apesar de Cristo ter passado o que passou ainda há aqueles que negam a sua encarnação e humilhação, ao dizerem que ele foi um simples profeta ou 'apenas um homem bom'; e outros alegam que Ele é um mito, ora citaremos a própria história da humanidade, pois seria suspeita citar a Bíblia, a história humana é DIVIDIDA AO MEIO, POIS HÁ UM MOMENTO NA HISTÓRIA QUE ELA TEVE UM MARCO, UM MOMENTO ÍMPAR O A.C E O D.C, antes de Cristo e o depois de Cristo. Por isso, como explicar seu propósito que pela Sua Palavra tem O PODER  de penetrar na divisão da alma e do espírito e transformar o pecador, prostituto, blasfemo, obsceno, amantes de si mesmos e viciados; ALGO QUE NENHUMA CLÍNICA OU HOSPITAL DE RECUPERAÇÃO TEM O PODER! Esses indivíduos ainda que trabalhados por tais instituições (sem menosprezá-las, pois possuem um papel importante na sociedade, mas a atribuição principal ao sucesso na recuperação dos tais é o constrangimento da humilhação de Cristo que nos faz rejeitar o pecado) e até mesmo enclausurados por algum tempo, quando tiverem a primeira oportunidade de saírem do tratamento voltarão a praticar o que mais gostavam de fazer quando estavam na imundícia da carne.
  3. O Cristo Glorificado - O sofrimento de Cristo compreende o período de sua Concepção Virginal até a crucificação no Monte Calvário, a partir daí há uma notável, visível e comprovada Glorificação vista pelos primeiros cristãos que tiveram a gran oportunidade de ver e tocar NO CRISTO RESSURETO! Como está escrito nos primeiros versículos citados neste comentário declara que "todos os joelhos vão ter que se dobrar e toda língua vão ter que reconhecer O SENHORIO DE CRISTO". E por fim, O Cristo Glorificado virá arrebatar sua Igreja e na sua coxa e na sua veste estará escrito: "Rei dos reis e Senhor dos Senhores!". Quem ousará a não se prostrar diante Daquele que É que Era e que Voltará!
     Passamos a vislumbrar a razão da sua Glorificação quando começamos a entender o significado de sua aparição em carne, afinal, entre outras razões temos a que Sua Glorificação é uma resposta e o cumprimento da profecia messiânica desde o Éden "esta (semente) te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Gênesis 3:15. Portanto, a encarnação e o sofrimento foram usados para devolver a Cristo a Sua Glória "E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse. João 17:5".