sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

A LONGA SECA SOBRE ISRAEL



Que palavra difícil para transmitir! Vai faltar chuva - "nem orvalho nem chuva haverá nestes anos, segundo a minha palavra". Era, de fato, uma palavra de julgamento divino sobre os pecados do povo. É bom notar que há dois aspectos da pregação do Evangelho. Devemos enfatizar o amor de Deus, mas não podemos deixar de falar, também, da ira de Deus sobre o pecado. Há muita falta disso hoje na pregação do Evangelho. Quando foi a última vez que ouvimos um sermão sobre o inferno?

É sabido que a seca, pelo fato de trazer sede e fome, é uma das grandes armas que o Senhor usou várias vezes na história para punir e provar Seu povo. Daí a máxima: "A natureza volta-se contra os homens rebeldes". Em 1 Reis 18.1 concluímos que o período de seca durou três anos, tempo mais que suficiente para trazer danos, enfermidades e mortes ao povo.

"Tão certo como vive o Senhor, Deus de Israel, perante cuja face estou" (1 Rs 17.1) conta-nos de um homem certo da presença de Deus em sua vida, pois "perante cuja face"que é expressão de proximidade e de intimidade. E como a certeza da presença de Deus é importantíssima para aquele que pretende servi-Lo! Veja Êxodo 33.12-15; Salmo 16.11; Mateus 28.20.

"Retira-te daqui, vai para o lado oriental, e esconde-te junto à torrente de Querite, fronteira ao Jordão" (17.3). A Bíblia Vida Nova nos informa que a torrente de Querite seria um pequeno córrego que só apresentava correnteza em épocas de chuva. Devia localizar-se em lugar deserto, para que Acabe não encontrasse o profeta. E por que se esconder? Porque uma palavra profética que anuncia ausência de orvalho e de chuva durante três anos a um rei perverso, traria perseguição e morte ao profeta. E também porque Deus sempre usa um lugar desértico para preparar Seus servos: Moisés passou quarenta anos no deserto; Jacó passou catorze anos de frustração em Harã; Paulo ficou na Arábia durante três anos; e José teve que passar um tempo na prisão egípcia até que Deus o elevasse ao governo do Egito. Não deve ter sido fácil para Elias ter que ir a Querite quando no fundo desejava ir para o confronto no monte Carmelo!

Por que Deus escolheria uma ave de rapina para sustentar Seu profeta? Por que um animal que se alimenta de carniça, que é predatório e repelente? Por que Deus usaria uma ave considerada imunda segundo a lei (Lv 11), como o corvo, para alimentar Seu servo?

Esta não é a primeira nem a última vez que o corvo é mencionado como instrumento de Deus para cumprir Seus propósitos. Noé soltou um corvo da arca para verificar se as águas diluvianas já haviam minguado da superfície da terra (Gn 8.6-7); Jó é questionado por Deus: "Quem prepara aos corvos o seu alimento, quando os seus pintainhos gritam a Deus e andam vagueando, por não terem que comer?" (Jó 38.41); o salmista lembra-nos que o Senhor "dá o alimento aos animais e aos filhos dos corvos, quando clamam" (Sl 147.9); e o próprio Senhor Jesus Cristo lançou mão dos corvos para ilustrar a provisão de Deus. "Observai os corvos, os quais não semeiam, nem ceifam, não têm despensa nem celeiros; todavia, Deus os sustenta. Quanto mais valeis do que as aves!" (Lc 12.24).

Certamente Deus queria ensinar a Elias que Ele é Jeová-Jiréh ("O Senhor proverá" - Gn 22.14). E para fazer isso Ele usa quem quer, onde quer, quando quer e como quer; ou, como escreveu Petersen, "Deus cuidará de você , mas não seja muito exigente quanto aos garçons que forem usados pelo Senhor".

Por que a torrente secou? Você pode ironizar e responder. Porque a água acabou!" Porém não estamos pensando no lado lógico do fato, mas no propósito principal de Deus, ou seja, o que o Senhor está querendo ensinar ao Seu profeta desta vez? Por isso, três possíveis motivos são sugeridos por Petersen, e é evidente que concordamos com ele.

Mesmo estando em lugar desértico, não era difícil Elias já ter se acostumado com o suprimento diário. Mas Querite secou, e agora teria que perguntar "Para onde, Senhor?". E como sempre o Eterno tem uma solução, prepararia uma viúva na terra pagã passando fome, que contraste e que provisão! Esse e o meu Deus! De onde menos esperamos Ele traz o socorro!!!

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

ELIAS, O TISBITA

HEBRAICO: ELIYAHU OU ELIYA "Meu Deus é o Senhor"

O primeiro grande profeta do reino de Israel do norte, Elias ganhou fama como quem aparecia e desaparecia como o vento - como se o Espírito de Deus o tivesse trazido e arrebatado. O narrador de 1 Rs certamente fomenta essa fama ao apresentar o profeta sem uma palavra referente ao seu passado. Além disso, Elias era reconhecido por suas vestes, ou seja, seu estilo era próprio e não seguia os costumes de sua época, apenas tinha um forte caráter e nada substituía sua fé e confiança em Deus; Elias não era um super profeta, era simplesmente um homem chamado por Deus para um propósito e atendeu obedientemente! Tudo o que Elias profetizara, acontecera em sua época, detalhe Acabe reinou 22 anos e Elias foi arrebatado algum tempo depois... Precisamos hoje da coragem de Elias!


Elias diante do rei Acabe quando profetizava a seca em Israel


Elias provavelmente nasceu na década anterior a 900 a.C. e cresceu em Tesbi, uma povoação tão distante do centro da vida israelita e tão insignificante que não é mencionada em nenhum outro lugar na Bíblia. Tesbi ficava em Galiléia, uma região ao leste do Jordão à beira do grande deserto da Arábia. Pouco influenciado pelo estilo de vida mais abastado, até luxuoso, de Canaã central, o povo de Galiléia tendia a manter as antigas tradições estritas de Israel provenientes dos anos em que viveu como nômade no deserto. Eram adeptos apenas do Senhor e desprezavam o cultos de fertilidade e os muitos deuses cananeus.

Região da Galiléia
A Galiléia foi originariamente habitada por montanheses habituados desde a infância à luta em defesa de suas férteis terras. 
Região setentrional da antiga Palestina, correspondente à parte norte do atual Estado de Israel, a Galiléia foi palco de muitos episódios da vida de Cristo. São imprecisas suas fronteiras bíblicas, mas sabe-se que fazia parte do território ocupado pela tribo dos neftalitas.
A Galiléia atual limita-se ao sul pela Samaria e pela região do Carmelo, a leste pelo rio Jordão, a norte pelo rio Leontes e a oeste pelo mar Mediterrâneo. Divide-se geograficamente em duas áreas, a alta e a baixa. Integram a alta Galiléia, que de certo modo é uma continuação do Líbano, montanhas separadas por desfiladeiros e gargantas estreitas. A baixa Galiléia é uma região de colinas. Ambas são bem servidas de chuvas e têm clima ameno e temperado. A desagregação das camadas de lavas, espalhadas sobre a região pelo vulcanismo de antigas eras geológicas, fez surgir um solo reconhecidamente fértil. Nas vertentes das montanhas se cultiva trigo, aveia, centeio e milho. Toda a região é sujeita a terremotos.
Tisbe (também transcrito Tisbé) era, segundo a tradição, a cidade de Listib, localizada a 8 quilômetros ao norte do Rio Jaboque. É o local de nascimento de Elias, o Profeta (1 Reis 17:1). No entanto, pensa-se agora que é mais provável que Tisbe fosse localizado emNaftali (Tisbe em Tobias - livro apócrifo - 1:2), porque Listib é conhecida por ter sido desabitada durante o tempo do reino do norte.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A Apostasia do Reino do Norte

Apostasia significa segundo o dicionário Michaelis sf (gr apostasía) 1 Abjuração, mudança de religião. 2 Ato de abandonar um partido ou uma opinião.


O Sistema de culto aos Bezerros em Israel (1 Rs 12.25 e ss.) Essa instituição foi obviamente em expediente político de Jeroboão para evitar que o povo descesse até Jerusalém e o seu Templo. Observe que o comentarista da lição enfatiza a apostasia do reino do norte no seu período considerado mais avassalador, justamente na época de Acabe e Jezabel. No entanto, é na época de Jeroboão que se inicia tal prática, até porque a expressão "reino do norte" é peculiar a divisão das tribos proporcionada por Roboão, filho de Salomão, logo, Roboão reina somente no sul; o que o diante de tal fato o Eterno chama Jeroboão para liderar e reinar no norte com as 10 tribos. Em relação ao ato de Jeroboão, este se  afastou de Deus e tentou subterfúgios para fugir da presença de Deus. O fato é de que Jeroboão tinha receio de que o povo que fosse adorar em Jerusalém voltasse a servir a descendência de Davi, ao rei Roboão, então tomou conselhos políticos e começou a levantar altares em Israel cf. 1 Rs 12.27,28.

Quando o Eterno levanta Elias em 1 Rs 17 é justamente para expurgar humilhando o deus da chuva e da agricultura, com mais de três anos sem nem orvalho do céu cair; ou seja, eliminar todos os vestígios da adoração apóstata dos israelitas, estes estavam enlaçados com os deuses cananitas, até porque depois da manifestação no Monte Carmelo do Fogo do Céu, Elias mandou matar todos os contratados pela rainha Jezabel, 850 profetas, inclusive esta tem no seu nome o sufixo (bel) do nome de seu deus!

A apostasia do Reino do norte tem seus bases alicerçadas no fato de os israelitas terem deixado habitar vizinhos de povos pagãos, lembra-se de que Deus quando Moisés ainda liderava-o, disse:


Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.Êxodo 3:8
Portanto eu disse: Far-vos-ei subir da aflição do Egito à terra do cananeu, do heteu, do amorreu, do perizeu, do heveu e do jebuseu, a uma terra que mana leite e mel. Êxodo 3.17

E acontecerá que, quando o SENHOR te houver introduzido na terra dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos heveus, e dos jebuseus, a qual jurou a teus pais que te daria, terra que mana leite e mel, guardarás este culto neste mês.Êxodo 13:5





Também acontecerá que, quando o SENHOR te houver introduzido na terra dos cananeus, como jurou a ti e a teus pais, quando ta houver dado,Êxodo 13:11

Porque o meu anjo irá adiante de ti, e te levará aos amorreus, e aos heteus, e aos perizeus, e aos cananeus, heveus e jebuseus; e eu os destruirei.Êxodo 23:23

Também enviarei vespões adiante de ti, que lancem fora os heveus, os cananeus, e os heteus de diante de ti.Êxodo 23:28

E enviarei um anjo adiante de ti, e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus,Êxodo 33:2

Guarda o que eu te ordeno hoje; eis que eu lançarei fora diante de ti os amorreus, e os cananeus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus e os jebuseus.Êxodo 34:11

Guarda-te de fazeres aliança com os moradores da terra aonde hás de entrar; para que não seja por laço no meio de ti. Êxodo 34:12

Grifo meu: aliança, principalmente nos relacionamentos conjugais. ex.: Acabe com Jezabel
Na tua terra não habitarão, para que não te façam pecar contra mim; se servires aos seus deuses, certamente isso será um laço para ti.Êxodo 23:33
Nada deve substituir o lugar de Deus! Ele é inigualável e seu acesso por enquanto é livre!

Podemos dizer que os principais agentes da idolatria = apostasia no reino do norte foram, Jeroboão, Acabe e Jezabel.

Como povo escolhido, Israel não deveria abandonar o Eterno, pois Este aplicaria seu julgamento mais cedo ou mais tarde, justamente por ter sido trocado por deuses pagãos.

Quando formos convidados a trocar, substituir ou abandonar o nosso Deus devemos nos manter firmes, até porque como bem disse o apóstolo Paulo "Eu sei em quem eu tenho crido".

Hoje, temos vários tipos de apostasias rondando a fé dos verdadeiros servos de Deus, a saber, CERTOS cantores e pregadores que se dizem servos do Deus Altíssimo, porém estão preocupados mais em fama, posição, convites e destaques e quando entram em cena, fazem dos nossos púlpitos UM PALCO, recebem toda honra e glória; E NÃO OFERECEM e nem transferem A DEUS O QUE É DE DEUS! Em contrapartida, temos cantores e pregadores que fazem de suas oportunidades um verdadeiro convite a adorar ao Deus Único e Verdadeiro!
Que o Eterno preserve a idoneidade destes últimos, pois precisamos mais de Deus através de seus vasos!

Tomando essa atitude, Jeroboão começou um falso sistema substituto de adoração a Jeová (12.28). Como Arão o fizera antes, ele infringiu o segundo mandamento para maior conveniência do culto. Essa atitude exigia um novo sistema de sacerdócio, usando o laicato em vez de levitas, que tinham ido para Judá (2 Cr 11.14). 

Foi esse pecado de Jeroboão que condenou todos os futuros reis do reino do norte.

Os israelitas se esqueceram de tudo que o Senhor houvera operado no Egito, ou seja, pararam de ensinar a lição de casa aos filhos, por exemplo, em Êxodo 20 temos os dez mandamentos e o primeiro é justamente:

Não terás outros deuses diante de mim.
Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. 
Êxodo 20:3-5





Culto a Baal instituído por Acabe e Jezabel (1 Rs 16.29 e ss). A aquiescência de Israel ao culto dos bezerros tornou a nação presa fácil para o culto cananeu a Baal, sessenta anos mais tarde. 

O culto aos bezerros infringiu o segundo mandamento, e o culto a Baal infringiu o culto aos bezerros. 

Baal era o principal entre os ídolos cananeus. Como deus da agricultura, chuva e fertilidade, exercia atração especial sobre Israel. 

O sistema religioso cananita não tinha moral e era diametralmente oposto ao Deus Santo dos hebreus. Jezabel, esposa de Acabe, oriunda da Fenícia, foi quem instigou essa religião em Israel e contratou 850 profetas de Baal e Aserá (1 Rs 18.19). 

O culto a Baal constituiu um desafio a Jeová, Deus de Israel, que reivindicou a terra de Canaã como sua terra especial.  



Elias e Eliseu, Profetas dos milagres (1 Rs 17 - 2 Rs 9). Elias apareceu em Israel com os seus miraculosos poderes (investido por Deus, é claro!) um tanto repentinamente quando o culto a Baal foi instituído em Israel por Acabe e Jezabel. Seu único propósito era denunciar o culto a Baal e chamar atenção para o poder maior do Deus de Israel. 

Seu primeiro milagre de fechar os céus por mais de três anos foi um desafio ao poder de Baal, que era o deus da agricultura e da chuva.

O ministério de Eliseu, com um a porção dobrada do poder de Elias, trouxe a denúncia da idolatria a um ponto culminante pelo maior número de milagres (quatorze em vez de sete) e pela intrepidez objetiva com que desafiou muitos dos reis que seguiam a Baal. 

Esses operadores de milagres vieram a Israel do norte quando a nação estava a ponto de adotar a própria idolatria. Eles foram trazidos pelo Senhor a Canaã com a finalidade de destruir a casa de Acabe e todo o sistema de adoração a Baal em Israel (1Rs 9.6-10).

Introdução à Lição da E.B.D para o 1º Trimestre de 2013



Os profetas de Israel foram chamados individualmente e ungidos por Deus para o serviço de "emergência", em contraste com o serviço regular dos sacerdotes, anciãos e reis. Além de serem denominados "profetas" (hebraicos nabi), também recebiam o nome de "videntes" (roeh ou chozeh), "sentinelas" (tsaphah) ou "pastores" (ruah). Esses termos indicam suas funções ao serem chamados por Deus para interpretar e anunciar a palavra específica do Senhor para o seu povo.

Na atual lição observamos os profetas em questão, Elias e Eliseu, o quais foram profetas da "Palavra" ou seja, distinguiram-se dos profetas da "Escrita", ou ainda, foram profetas orais. Elias por sua vez repreendeu a Acabe e a Jezabel pelo culto a Baal (1 Rs 17.1 e ss.). Já Eliseu reprovou o culto a Baal em Israel e fez muitos milagres (2 Rs 2.1 e ss.). 

Aprendemos no trimestre passado que após a divisão do reino, Jeroboão introduziu a adoração ao bezerro no reino do norte, nos dois altares de Betel e Dã. E ainda foi acrescentado o culto a Baal dos cananeus por Acabe e Jezabel, no reino do norte, e por sua filha, Atalia, no reino do sul. Apesar do expurgo de Baal por Jeú em 841 a.C, a idolatria continuou em ambos os reinos até a sua destruição em 722 e 586 a.C.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013


Ciclo vital (nascer, crescer, desenvolver, envelhecer e morrer)

Baseado em Ec 12.1-7

Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento;
Antes que se escureçam o sol, e a luz, e a lua, e as estrelas, e tornem a vir as nuvens depois da chuva;
No dia em que tremerem os guardas da casa, e se encurvarem os homens fortes, e cessarem os moedores, por já serem poucos, e se escurecerem os que olham pelas janelas;
E as portas da rua se fecharem por causa do baixo ruído da moedura, e se levantar à voz das aves, e todas as filhas da música se abaterem.
Como também quando temerem o que é alto, e houver espantos no caminho, e florescer a amendoeira, e o gafanhoto for um peso, e perecer o apetite; porque o homem se vai à sua casa eterna, e os pranteadores andarão rodeando pela praça;
Antes que se rompa o cordão de prata, e se quebre o copo de ouro, e se despedace o cântaro junto à fonte, e se quebre a roda junto ao poço,
E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu. 

Na velhice não há prazer como na juventude, porém há experiências!
A mocidade é uma fase de aproveitamento, não volta mais e passa rápido!
A velhice não tem preferência, alcança todos!
Na mocidade geralmente se tem saúde, força e vigor.
Na velhice esta saúde, força e vigor vão desaparecendo e dando lugar a doenças, fraquezas e desânimos.
Lembrar-se de Deus principalmente nos momentos bons!
Esteja preparado para entrar na fase da velhice!