terça-feira, 21 de janeiro de 2014

A Celebração da Primeira Páscoa


É sabedor que a primeira páscoa nada tem a ver com o que se comemora hoje no mundo ocidental, é incrível e ao mesmo tempo irritante a distorção do verdadeiro sentido da "Páscoa" que em hebraico significa "Passar por", ou seja, faz alusão à passagem do anjo da morte por cima das casas no Egito, tanto dos egípcios quanto dos hebreus, na noite em que o Eterno houvera avisado, inclusive a Faraó, sobre tal acontecimento (Cf. Êx 11.4-8).


Nos países ocidentais a páscoa se comemora com ovos de chocolate (elemento que não pode faltar, inclusive em formato de caixa), coelhinho que bota ovo, troca de presentes e etc., em comparação à páscoa hebréia observe seus itens cordeiro, ervas amargosas e pães asmos (sem fermento) e o principal elemento é o "sangue" do cordeiro sacrificado, configuração daquilo que no futuro iria se concretizar no sacrifício de Cristo, ou melhor, a primeira páscoa faz referência direta ou é sombras da coisas futuras, apontando para a expiação de Cristo (Cf. Colossenses 2.16,17). Observe a discrepante diferença de sangue para chocolate!


Observe o comentário desta figura acima, é verdade que muitas crianças egípcias primogênitas morreram, porém, repito o que supracitei, os seus pais e o próprio faraó fora avisado antecipadamente, porque não quiseram participar também da páscoa hebréia? Talvez Deus as teria poupado, no entanto, não nos esqueçamos de quão grande sofrimento os pais hebreus tiveram quando viram seus milhares de filhos serem jogados dentro do rio Nilo, quando o faraó determinou a matança dos meninos israelitas! Isso é covardia, pois quem executou foram as mãos dos pais egípcios, em contrapartida, no caso da páscoa a execução foi divina, revelando mais uma vez sua justiça e que a vingança pertence ao Todo-Poderoso (Cf. Hb 10.30).


Para o Egito a páscoa, representava a última calamidade com a morte de todo primogênito, inclusive, de todos os animais egípcios. Em toda decisão julgadora alguém sairá feliz e outro triste, afinal, há um pleito em questão, logo, o juiz da causa de acordo com as provas e as alegações baterá o martelo e definirá o vencedor da causa. O Egito causou por 400 anos prejuízo ao povo hebreu, agora, o clamor pela justiça foi ouvido pelo Altíssimo, "Justo Juiz", que usando seus argumentos (as 10 pragas divinas), para mostrar a faraó que suas ações chegaram ao limite da paciência de Deus, nesse caso, não poderia sair dois vencedores, portanto, quem merecia a vitória, obteve-a justamente porque não foi operada com as próprias mãos, mas sim, executada pelo Conselho Divino!


Para os israelitas, povo ainda em formação, a páscoa simbolizava a libertação, a saída da escravidão egípcia, a vitória, o suspiro, a oportunidade de uma nova vida, e observe que o povo cumpriu a determinação para a sua celebração:


Teriam que escolher um cordeiro macho de um ano e sacrificá-lo para ser comido assado, com pães asmos e ervas amargosas, estas era para lembrá-los quando a celebrassem a cada ano, as agruras sofridas no Egito, caso o número da família fosse insuficiente para o cordeiro inteiro, "chame um vizinho, conforme o número das almas" (Cf. Êx 12.4).


É interessante que o fermento teria que ser tirado de dentro da casa, pois o fermento simbolizava o pecado. Devemos retirar de nossas vidas tudo aquilo que atrapalha nossa comunhão com Deus, não importa o que seja, objeto, artigos, utensílios, vestes, inclusive se afastar de pessoas que tentam nos influenciar para o lado mal.


O sangue, elemento básico, teria que ser passado nas ombreiras e vergas das portas dos israelitas, para que quando o anjo da morte passasse detectasse que aquela casa estava imune, então ele não feria o primogênito daquela casa nem o animal. Esse sangue aponta para o Sangue de Cristo, que tira todo o pecado do mundo (Cf. Jo 1.29)


Deus fez diferença entre os egípcios e os israelitas, o que é diferença senão acepção de pessoas, O ETERNO NÃO FAZ ACEPÇÃO PARA A SALVAÇÃO, POIS ELE DIZ: "Vinde a mim todos..." (Cf Mt 11.28Mas em relação a distribuir dons, talentos, fazer justiça e etc. 

Ele escolhe a quem é útil e justo receber. 




Significa a oportunidade de aproximação a Deus através de Jesus Cristo seu Filho.