domingo, 5 de janeiro de 2014

Um Libertador para Israel



Um Libertador para Israel (povo hebreu)


Moisés na figura de um libertador, representa o próprio Cristo, quando o Egito representa o mundo pecaminoso, então, Cristo nos liberta do pecado e da morte (cf. Jo 8.32,36). É bem verdade que um libertador precisa de autoridade, isto foi-lhe conferido pelo próprio Deus, quando no encontro da sarça ardente (Êxodo 3); e executado com as dez pragas. Deus o fez poderoso em palavras e obras (cf. At 7.22). Encontra-se entre os grandes heróis da fé enumerados no capítulo 11 da epístola aos hebreus.




A forma como permaneceu vivo logo após seu nascimento, todo o seu desenvolvimento físico e intelectual, sendo tratado como príncipe do Egito, na verdade, Moisés fora criado para suceder o Faraó, a filha de Faraó investiu forte na vida daquela criança que chegou aos seus braços pela arca de junco, confeccionado pela sua própria mãe, trazido pelas águas do Rio Nilo, porém, sabemos que em toda essa história, a Mão de Deus estava conduzindo cada traço, cada detalhe, inclusive, quando usa a própria filha de Faraó para oferecer salário à mãe de Moisés para que cuidasse do menino até certa idade ou ser desmamado, segundo alguns teólogos.



“Quase se pode dizer que o livro de Êxodo é a história de um homem, do homem Moisés que representa o ponto central em torno do qual gira a crise do plano da redenção. No coração dele verifica-se o conflito. Ele recebe a comunicação de Deus para o povo e sobre ele pesa toda a carga das peregrinações. É ele quem recebe o golpe da crítica do povo, pois se acha como mediador entre o povo e Deus e intercede perante Deus a favor deles”. (Gillis)

Observe no comentário bem sucedido de Gillis que a centralidade da libertação residia em Moisés, ou seja, O Eterno quis enfatizar a supremacia de sua vontade estabelecida em seu representante direto; O Senhor ainda hoje, assim o faz! Quando faz com que um povo, dependa da autoridade de um homem, ou que seja orientado por tal; é importante ressaltar que um libertador deve ter as características de um verdadeiro líder, como, reconhecimento, respeito e consideração, além das qualidades espirituais, é claro.





É interessante observar que naquela época o formato da escravidão não se igualava ao que conhecemos o que é escravidão hoje, era ruim, mas até algum tempo era bem pior, digo: escravidão africana. Porém, ainda hoje existem casos isolados desse tipo de tratamento desumano.
 
Enfatizamos que Moisés ainda não estava preparado para ser libertador, foi necessário passar no deserto por experiências diferentes daquelas que obtivera como príncipe no Egito; na região desértica aprendeu sobre clima, sobrevivência e as espertises daquele lugar inóspito, no entanto, foi lá que aprendeu a depender de Deus, pois um líder espiritual precisa fundamentalmente confiar em Deus, caso contrário sua liderança não subsistirá!




Quando o libertador-líder não sabe que tem tal chamada, quer agir como tal, talvez inconscientemente, porém, de sua forma ou maneira, quando Moisés tentou apaziguar uma discurssão entre dois hebreus; mas o Eterno que o escolheu, quer usá-lo conforme sua Soberania. Atente que O Senhor deu as coordenadas ao seu instrumento, depois de está apto para o ofício (Êx. 3.19).



Ainda assim, Moisés relutou 4 vezes com Deus sobre sua missão:

1.      “Quem sou eu, que vá a Faraó?” (Êx. 3.11). Deus responde: “Certamente eu serei contigo”.
2.      “Em nome de quem me apresentarei diante de meu povo?” (Êx. 3.13). Deus responde: “Eu Sou o que Sou” Pai de Abraão, Isaque e Jacó.
3.      “Os israelitas não vão acreditar eu eu sou o mensageiro de Deus”. (Êx. 4.1). Deus responde: três sinais foram-lhe dado, a serpente, a lepra e a água.
4.      “Não tenho facilidade de palavra” (Êx. 4.10). Deus responde: “teu irmão será teu porta-voz”.

Após as contestações dadas pelo Senhor, Moisés aceitou seu chamado e nunca mais recuou.

É certo que quando Moisés recebeu a ordem para retornar ao Egito e falar com Faraó tinha a certeza de que Deus estaria com ele. No entanto, apesar de está obedecendo a voz de Deus, o Faraó manda afligir mais o povo, e este agora desacredita e desabilita Moisés para tal libertação, porém, Deus tinha falado a Moisés sobre a dureza de coração do Faraó, era só uma questão de tempo para o Senhor humilhar todos os deuses do Egito, inclusive o seu próprio rei, Faraó.

O Eterno lembra a Moisés: "Agora verás o que hei de fazer a Faraó; porque, por mão poderosa, os deixará ir, sim, por mão poderosa, os lançará de sua terra" (Êx. 6.1).